Depoimento 06:

Tatiana S. de F. 17 anos, (Belo Horizonte, MG): Perante toda essa injustiça contra as mulheres, onde a culpa é sempre “da mulher” eu quero falar do que aconteceu comigo para demonstrar como é falacioso e superficial esse tipo de pensamento pequeno, mesquinho. Eu namorava há dois anos o cara que achava que seria o “homem da minha vida”, com quem perdi a virgindade. No começo eu até tomava remédio, usávamos camisinha e tudo como manda o figurino, mas como ele sempre disse que se eu engravidasse ele seria “o cara mais feliz do mundo e nos casaríamos” fiz a burrada de interromper o remédio. A primeira dúvida veio, fizemos o exame e deu negativo. Porém dias depois disto ele terminou comigo, mas, como somos vizinhos, sempre tínhamos recaídas (sempre mesmo! Todos os dias). No mês seguinte a dúvida voltou, disse a ele que teria que fazer o exame e ele me disse que não me levaria para fazer, que eu não iria fazê-lo porque eu “não estava grávida”.

Uma amiga entrou na briga tomou minhas dores e me levou para laboratório (como era menor precisava da companhia de um “adulto”), ele buscou o resultado e pronto: estava grávida. Eu fiquei em êxtase, teria um filho com o homem da minha vida e achei que isso nos uniria novamente. Sabia que passaríamos por dificuldades pois somos muito novos, mas acreditava que superaríamos tudo e nossas famílias não nos deixariam passar necessidade. Bom, não foi exatamente isto que aconteceu. Quando cai do cavalo e resolvi abortar? Quando ele me disse que não assumiria o bebê, que estava muito novo para ser pai (sim gente, esse é o mesmo cara que sempre me disse que queria ter um filho comigo e que era “o maior sonho dele”), disse que se eu abortasse ele voltaria para mim e ficaríamos juntos novamente. Eu como uma bobinha apaixonada que sou, acreditei e pensei “teremos outras oportunidades, vamos ficar juntos, vamos nos casar”. Fiz a cagada de aceitar a proposta.

Ele comprou os remédios aqui no Aborto Já, e, em um fim de semana em que meus pais estavam viajando, fiz o uso. Foi tudo como uma menstruação forte, inclusive consegui ver o feto pequenininho, do tamanho da ponta de um dedo, fiquei sangrando por mais uns dias, e finalmente voltou a normalidade. Na verdade nestes dias a única coisa que eu pensava era que seríamos felizes e eu iria ficar com ele novamente. Nós voltamos, ficamos juntos por um mês e, claro, ele terminou comigo de novo!

Então vejam como funciona, eu engravidei e depois abortei por causa, (em grande parte), do homem que estava comigo, ele deve culpa em mais de 80% da situação toda, me induziu a engravidar, me induziu a abortar, foi ele que comprou os medicamentos, e a mulher é sempre a culpada? Quantos casos semelhantes deve acontecer mundo a fora? No caso da criminalização, se eu fosse presa, não deveria ser preso também o homem? Mas não seria assim né? – Enfim… espero ter colaborado, desejo sorte para as próximas.

((Navegue pelo Site! Clique nos Links!))

[índice dos Artigos] [Página Inicial] [Comprar Já!] [Contato WhatsApp] [Depoimentos de Quem já Comprou Conosco]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *